Capa / Bom & Barato / – Bom & Barato: A Minha Adeguinha de 4 garrafas de Fevereiro de 2015 –
– Bom & Barato: A Minha Adeguinha de 4 garrafas de Fevereiro de 2015 –

– Bom & Barato: A Minha Adeguinha de 4 garrafas de Fevereiro de 2015 –

A seleção desse mês traz 4 vinhos de muito boa qualidade, com um excelente custo-benefício, sempre um tinto, um branco, um espumante e um rosado, para completar a sua pequena adega. Dessa vez "viajaremos" de Portugal ao Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul, para depois voltar para a França de frente para o Mar Mediterrâneo... Tudo isso sem gastar muito!

1 - BRANCO: QUINTA DA BACALHOA CATARINA 2010

VinhoCatarinaOKO vinho D. Catarina é um achado da Península de Setúbal, em Portugal. Trata-se de um vinho aromático, de coloração amarela com halos dourados, acidez equilibrada, mineralidade, apresentando aromas muito florais e cítricos, mas também de pêssego e notas tostadas. Sua delicadeza e frescor fazem dele um vinho agradável, que pode acompanhar queijos de pouca estrutura, peixes e frutos do mar.

Esse vinho é um corte de duas castas brancas portuguesas, comuns na Penínulsa de Setúbal, e uma francesa: 43% Fernão Pires, 17% Arinto e 40% Chardonnay, sendo que esta última fermentou parcialmente e estagiou 5 meses em barricas novas de carvalho francês. O enólogo responsável é uma mulher, Filipa Tomaz da Costa, mais uma das notáveis mulheres do vinho.

Tanto a península de Setúbal quanto o rótulo do vinho tem ligações históricas: Atribui-se à essa região, a provável entrada em Portugal dos azeites e dos vinhos, através dos fenícios, em 600 a. C. Setúbal terá passado assim pela presença dos celtas, fenícios, romanos, bárbaros, árabes e foi recuperada por D. Afonso Henriques em 1147, então primeiro rei de Portugal, sendo hoje repleta de monumentos medievais e da renascença manuelina, como a própria Quinta da Bacalhoa, uma bela mansão construída em 1480 a qual foram adicionados jardins renascentintas durante o século XVI.

RainhaCatarinaOKJá o rótulo “D. Catarina” faz homenagem a uma princesa portuguesa que foi rainha da Inglaterra: D. Catarina de Bragança (1638-1705), que em 1662 saiu com um luxuoso séquito de Lisboa para se casar com o rei Charles II, levando consigo um vultoso dote (2 milhões de cruzados, a Praça de Tânger na África e a pequena feitoria na Ilha de Bombaim, na Índia). Dizem que, assim como o vinho que leva o seu nome, ela era de espírito delicado e suave. Na Inglaterra, levou para o país o hábito de tomar chá, legado que foi assimilado pelo povo inglês e que hoje faz parte daquela cultura. Durante a vida de casada, a infanta não foi nada feliz, dada a vocação para mulherengo que o rei ostentava. O vinho que leva o seu nome, contudo, teve melhor sorte: A safra de 2010 é pontuada com 91 pontos pela Wine Enthusiast Magazine, e pode ser adquirido por R$48,00 na casa Santa Luzia (http://www.santaluzia.com.br).

  2 – TINTO: CASA ERMELINDA FREITAS TOURIGA FRANCA 2009

CasaErmelinda2009OKEsse varietal composto pela aromática cepa autóctone Touriga Franca é um achado: o vinho, de coloração rubi granada, apresenta aromas de frutas negras maduras, alcaçuz e nozes. Trata-se de um vinho frutado, mas que enche a boca, com uma certa intenção doce e persistência.

A bebida estagia durante 10 meses em meias pipas de carvalho americano e francês. O tempo estimado de guarda é de cerca de 7/8 anos, e, ao serví-lo, deve-se observar a temperatura de 16 a 18 graus.

Assim como o patrício D. Catarina, esse vinho regional da Península de Setúbal vem do Concelho de Palmela, região com fortes raízes históricas como toda a Península de Setúbal. Aliás, é de Setúbal um dos mais antigos e consagrados vinhos licorosos de Portugal, como o Moscatel de Setúbal, elaborado com a uva Muscat, um dos vinhos favoritos do Rei Luís XIV de França, o rei Sol.PortugalOKFinal

Na Serra da Arrábida, o solo calcário e arenoso guarda as memórias seculares da nação do mar. Alí destaca-se um imponente castelo, que pode ser visto a quilômetros de distância. O castelo esteve nas mãos dos árabes até o século XII, quando foi conquistado pelos cristãos e doado aos cavaleiros da Ordem de Santiago pelo rei D. Sancho I. Em 1423, o rei D. João I transformou-o em um mosteiro da Ordem de Cristo. Hoje a construção é uma confortável pousada, com um restaurante no refeitório dos monges e uma piscina escondida entre as muralhas. A torre de menagem é um mirante com uma bela vista para a cidade de Lisboa nos dias claros. Em setembro, o Concelho de Palmela oferece a Festa da Vindima com duração de vários dias.

O Casa Ermelinda Freitas Touriga Franca 2009 pode ser encontrado no Empório Frei Caneca, por R$52,95 (www.emporiofreicaneca.com.br).   3 – ESPUMANTE: ARTE TRADICIONAL BRUT 2012.

CasaValdugaArteOKEsse espumante brasileiro elaborado no método tradicional (champenoise), o mesmo método utilizado para a produção dos espumantes de Champagne, é um achado de grande custo-benefício: Além de safrado, ele apresenta coloração amarelo pálido, com notas de brioche, frutas frescas, tostados, acidez equilibrada e muito frescor. O perlage (borbulhas) é fino, típica formação do método “champenoise”, bem como persistente.

A colheita das uvas Chardonnay (60%) e Pinot Noir (40%) é feita de forma manual e seletiva e o vinho descansa por 12 meses em caves subterrâneas. O método “champenoise” merece crédito por ser o mais próximo da produção que os mestres franceses utilizam para elaborar os seus espumantes, portanto, demanda mais trabaho e cuidados. Todos os espumantes da Casa Valduga são produzidos pelo método “champenoise”.

O Arte deve ser servido a uma temperatura de 4 a 6 graus. Esse espumante artesanal pode ser encontrado pelo preço de R$35,00 no Empório Frei Caneca (www.emporiofreicaneca.com.br), mas pode também ser encontrado por menos na web.

A Casa Valduga e a Denominação de Origem "Vale dos Vinhedos"

ValeDosVinhedosOKO primeiro Valduga parece ter desembarcado no Rio Grande do Sul por volta de 1875 e se estabeleceu na região de Bento Gonçalves.

Ninguém sabe ao certo quando foi que começou a idéia de se produzir vinho no Brasil. Primeiro, há de se levar em conta que o Brasil que conhecemos hoje não tem a mesma dimensão que tinha em 1500. Assim, é possível que muitas tentativas tenham sido feitas durante séculos na esperança de que as videiras se adaptassem ao clima tropical: os padres jesuítas costumavam ser os disseminadores da cultura do vinho, sobretudo para guarnecer a missa.

O Rio Grande do Sul, que lá nos idos de 1626 ainda pertencia à Espanha, guarda o registro da primeira investida vinícola: Na margem esquerda do Uruguai, na região de Sete Povos das Missões, o padre jesuíta Roque Gonzáles de Santa Cruz teria introduzido cepas de origem espanhola. Já em 1737, os primeiros imigrantes açorianos fundariam Porto Alegre e plantariam castas portuguesas originários dos Açores e da Madeira.

No epicentro da colisão dos dois impérios de Portugal e Espanha estava o Rio Grande do Sul, que guarda até hoje no sotaque a influência dessa região fronteiriça: a narrativa de Érico Veríssimo traduz esse conflito na alma de seus personagens... Mais tarde, quando o Brasil já era uma nação independente, D. Pedro I teria incentivado o cultivo da vinha em 1825, contando com a experiência dos imigrantes alemães. Mas foi só em 1875, com a chegada dos imigrantes italianos, que a cultura do vinho começa a tomar musculatura naquelas terras. O vinho surge alí como objeto de escambo, sendo rusticamente transportado nos lombos de burro, numa vida nada fácil para os primeiros colonos. É nesse mesmo ano em que é fundada Bento Gonçalves, com a vocação de se estabelecer para sempre no mundo do vinho.

Num estado de raízes indígenas, portuguesas, espanholas, italianas e alemãs, dificilmente o vinho teria um caráter único; o vinho do Rio Grande do Sul é mestiço, tem características únicas, e muitas estórias de superação: o Vale dos Vinhedos foi a primeira região brasileira com classificação de Denominação de Origem (DO) de vinhos no país, a partir de 2013. Sua norma estabelece que toda a produção de uvas e o processamento da bebida sejam realizados na região do Vale dos Vinhedos. Essas medidas protecionistas e regulamentadoras servem para garantir a qualidade dos vinhos, proteger seus produtores e padronizar a produção dos mesmos.

  4 - ROSADO:  CHÂTEAU DE BEAUBOIS - EXPRESSION ROSÉ, 2013

Expression_OKVem da França, esse maravilhoso bivarietal, composto por 70% Syrah e 30% Grenache. A coloração rosé é muito bela, um rosé vivo, alaranjado. O corpo suave e o aroma de frutas silvestres, morangos, framboesas, tornam esse vinho bastante atraente ao beber, pois apresenta acidez equilibrada e bastante frescor. Por ser o rosé um vinho bastante versátil, pode acompanhar desde pratos com frutos do mar, bem como um croque madame, ou até mesmo pastéis fritos de camarão ou queijo.

A vinificação é orgânica, a colheita é manual, não é utilizado nenhum produto químico nos estágios da produção, sem passar por barricas. O potencial de guarda não ultrapassa a 5 anos e o serviço deve ser observado entre 8 e 10 graus.

O CHATEAU DE BEAUBOIS

O nome de origem toponímica advém de “beau bois”, ou “bela madeira”, dada as madeiras magníficas de carvalho e pinho que havia naquela região encontrada pelos monges cistercienses de Franquevaux, a 15 km do Mar Mediterrâneo. Note-se a historicidade da região: o Mar Mediterrâneo foi palco de fenícios, gregos, romanos, árabes, para que depois do restabelecimento da ordem na Idade Média, à beira do Renascimento, era também palco de mercadores genoveses, venezianos, ibéricos, enfim, sempre foi uma região muito aberta às inovações que a História pudesse trazer...

RhoneOKAlí, no Côtes de Rhône, foi o lugar escolhido pelo papa Clemente V para abrigar a sede do papado (1309-1376), por onde passaram 6 papas, pois julgavam que Roma não era mais a cidade ideal para abrigar o papado. Foi alí no Vale do Ródano que plantaram as vinhas a mando do papa, como também a mando do papa houve a construção de um castelo gótico que ainda hoje existe, em Avignon, e toda essa estória dá nome a um famoso vinho: o Châteauneuf-du-Pape, que quer dizer “O castelo novo do papa”.

O Chateau de Beaubois surge antes disso, alí naquela região que hoje é conhecida como AOC Côtes du Rhone, por volta do século XIII, quando os monges cistercienses resolveram aproveitar aquelas terras para plantar videiras e oliveiras, passando assim a vinificar os frutos daquele belo terroir.

Hoje o castelo está nas mãos da família que o adquiriu nos anos 1920, tocado por um casal de irmãos na quarta geração de enólogos da família.

Essa maravilha pode ser adquirida no Empório De La Croix, por R$49,00 (http://www.delacroixvinhos.com.br/)

Sobre Luciano Duarte

Luciano Duarte

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190

Warning: strpos() expects parameter 1 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 180

Warning: preg_match_all() expects parameter 2 to be string, array given in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 189

Warning: array_intersect(): Argument #2 is not an array in /home/storage/4/c8/c2/minhadega1/public_html/wp-includes/shortcodes.php on line 190
A seleção desse mês traz 4 vinhos de muito boa qualidade, com um excelente custo-benefício, sempre um tinto, um branco, um espumante e um rosado, para completar a sua pequena adega. Dessa vez "viajaremos" de Portugal ao Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul, para depois voltar para a França de frente para o Mar Mediterrâneo... Tudo isso sem gastar muito!

1 - BRANCO: QUINTA DA BACALHOA CATARINA 2010

VinhoCatarinaOKO vinho D. Catarina é um achado da Península de Setúbal, em Portugal. Trata-se de um vinho aromático, de coloração amarela com halos dourados, acidez equilibrada, mineralidade, apresentando aromas muito florais e cítricos, mas também de pêssego e notas tostadas. Sua delicadeza e frescor fazem dele um vinho agradável, que pode acompanhar queijos de pouca estrutura, peixes e frutos do mar.

Esse vinho é um corte de duas castas brancas portuguesas, comuns na Penínulsa de Setúbal, e uma francesa: 43% Fernão Pires, 17% Arinto e 40% Chardonnay, sendo que esta última fermentou parcialmente e estagiou 5 meses em barricas novas de carvalho francês. O enólogo responsável é uma mulher, Filipa Tomaz da Costa, mais uma das notáveis mulheres do vinho.

Tanto a península de Setúbal quanto o rótulo do vinho tem ligações históricas: Atribui-se à essa região, a provável entrada em Portugal dos azeites e dos vinhos, através dos fenícios, em 600 a. C. Setúbal terá passado assim pela presença dos celtas, fenícios, romanos, bárbaros, árabes e foi recuperada por D. Afonso Henriques em 1147, então primeiro rei de Portugal, sendo hoje repleta de monumentos medievais e da renascença manuelina, como a própria Quinta da Bacalhoa, uma bela mansão construída em 1480 a qual foram adicionados jardins renascentintas durante o século XVI.

RainhaCatarinaOKJá o rótulo “D. Catarina” faz homenagem a uma princesa portuguesa que foi rainha da Inglaterra: D. Catarina de Bragança (1638-1705), que em 1662 saiu com um luxuoso séquito de Lisboa para se casar com o rei Charles II, levando consigo um vultoso dote (2 milhões de cruzados, a Praça de Tânger na África e a pequena feitoria na Ilha de Bombaim, na Índia). Dizem que, assim como o vinho que leva o seu nome, ela era de espírito delicado e suave. Na Inglaterra, levou para o país o hábito de tomar chá, legado que foi assimilado pelo povo inglês e que hoje faz parte daquela cultura. Durante a vida de casada, a infanta não foi nada feliz, dada a vocação para mulherengo que o rei ostentava. O vinho que leva o seu nome, contudo, teve melhor sorte: A safra de 2010 é pontuada com 91 pontos pela Wine Enthusiast Magazine, e pode ser adquirido por R$48,00 na casa Santa Luzia (http://www.santaluzia.com.br).

  2 – TINTO: CASA ERMELINDA FREITAS TOURIGA FRANCA 2009

CasaErmelinda2009OKEsse varietal composto pela aromática cepa autóctone Touriga Franca é um achado: o vinho, de coloração rubi granada, apresenta aromas de frutas negras maduras, alcaçuz e nozes. Trata-se de um vinho frutado, mas que enche a boca, com uma certa intenção doce e persistência.

A bebida estagia durante 10 meses em meias pipas de carvalho americano e francês. O tempo estimado de guarda é de cerca de 7/8 anos, e, ao serví-lo, deve-se observar a temperatura de 16 a 18 graus.

Assim como o patrício D. Catarina, esse vinho regional da Península de Setúbal vem do Concelho de Palmela, região com fortes raízes históricas como toda a Península de Setúbal. Aliás, é de Setúbal um dos mais antigos e consagrados vinhos licorosos de Portugal, como o Moscatel de Setúbal, elaborado com a uva Muscat, um dos vinhos favoritos do Rei Luís XIV de França, o rei Sol.PortugalOKFinal

Na Serra da Arrábida, o solo calcário e arenoso guarda as memórias seculares da nação do mar. Alí destaca-se um imponente castelo, que pode ser visto a quilômetros de distância. O castelo esteve nas mãos dos árabes até o século XII, quando foi conquistado pelos cristãos e doado aos cavaleiros da Ordem de Santiago pelo rei D. Sancho I. Em 1423, o rei D. João I transformou-o em um mosteiro da Ordem de Cristo. Hoje a construção é uma confortável pousada, com um restaurante no refeitório dos monges e uma piscina escondida entre as muralhas. A torre de menagem é um mirante com uma bela vista para a cidade de Lisboa nos dias claros. Em setembro, o Concelho de Palmela oferece a Festa da Vindima com duração de vários dias.

O Casa Ermelinda Freitas Touriga Franca 2009 pode ser encontrado no Empório Frei Caneca, por R$52,95 (www.emporiofreicaneca.com.br).   3 – ESPUMANTE: ARTE TRADICIONAL BRUT 2012.

CasaValdugaArteOKEsse espumante brasileiro elaborado no método tradicional (champenoise), o mesmo método utilizado para a produção dos espumantes de Champagne, é um achado de grande custo-benefício: Além de safrado, ele apresenta coloração amarelo pálido, com notas de brioche, frutas frescas, tostados, acidez equilibrada e muito frescor. O perlage (borbulhas) é fino, típica formação do método “champenoise”, bem como persistente.

A colheita das uvas Chardonnay (60%) e Pinot Noir (40%) é feita de forma manual e seletiva e o vinho descansa por 12 meses em caves subterrâneas. O método “champenoise” merece crédito por ser o mais próximo da produção que os mestres franceses utilizam para elaborar os seus espumantes, portanto, demanda mais trabaho e cuidados. Todos os espumantes da Casa Valduga são produzidos pelo método “champenoise”.

O Arte deve ser servido a uma temperatura de 4 a 6 graus. Esse espumante artesanal pode ser encontrado pelo preço de R$35,00 no Empório Frei Caneca (www.emporiofreicaneca.com.br), mas pode também ser encontrado por menos na web.

A Casa Valduga e a Denominação de Origem "Vale dos Vinhedos"

ValeDosVinhedosOKO primeiro Valduga parece ter desembarcado no Rio Grande do Sul por volta de 1875 e se estabeleceu na região de Bento Gonçalves.

Ninguém sabe ao certo quando foi que começou a idéia de se produzir vinho no Brasil. Primeiro, há de se levar em conta que o Brasil que conhecemos hoje não tem a mesma dimensão que tinha em 1500. Assim, é possível que muitas tentativas tenham sido feitas durante séculos na esperança de que as videiras se adaptassem ao clima tropical: os padres jesuítas costumavam ser os disseminadores da cultura do vinho, sobretudo para guarnecer a missa.

O Rio Grande do Sul, que lá nos idos de 1626 ainda pertencia à Espanha, guarda o registro da primeira investida vinícola: Na margem esquerda do Uruguai, na região de Sete Povos das Missões, o padre jesuíta Roque Gonzáles de Santa Cruz teria introduzido cepas de origem espanhola. Já em 1737, os primeiros imigrantes açorianos fundariam Porto Alegre e plantariam castas portuguesas originários dos Açores e da Madeira.

No epicentro da colisão dos dois impérios de Portugal e Espanha estava o Rio Grande do Sul, que guarda até hoje no sotaque a influência dessa região fronteiriça: a narrativa de Érico Veríssimo traduz esse conflito na alma de seus personagens... Mais tarde, quando o Brasil já era uma nação independente, D. Pedro I teria incentivado o cultivo da vinha em 1825, contando com a experiência dos imigrantes alemães. Mas foi só em 1875, com a chegada dos imigrantes italianos, que a cultura do vinho começa a tomar musculatura naquelas terras. O vinho surge alí como objeto de escambo, sendo rusticamente transportado nos lombos de burro, numa vida nada fácil para os primeiros colonos. É nesse mesmo ano em que é fundada Bento Gonçalves, com a vocação de se estabelecer para sempre no mundo do vinho.

Num estado de raízes indígenas, portuguesas, espanholas, italianas e alemãs, dificilmente o vinho teria um caráter único; o vinho do Rio Grande do Sul é mestiço, tem características únicas, e muitas estórias de superação: o Vale dos Vinhedos foi a primeira região brasileira com classificação de Denominação de Origem (DO) de vinhos no país, a partir de 2013. Sua norma estabelece que toda a produção de uvas e o processamento da bebida sejam realizados na região do Vale dos Vinhedos. Essas medidas protecionistas e regulamentadoras servem para garantir a qualidade dos vinhos, proteger seus produtores e padronizar a produção dos mesmos.

  4 - ROSADO:  CHÂTEAU DE BEAUBOIS - EXPRESSION ROSÉ, 2013

Expression_OKVem da França, esse maravilhoso bivarietal, composto por 70% Syrah e 30% Grenache. A coloração rosé é muito bela, um rosé vivo, alaranjado. O corpo suave e o aroma de frutas silvestres, morangos, framboesas, tornam esse vinho bastante atraente ao beber, pois apresenta acidez equilibrada e bastante frescor. Por ser o rosé um vinho bastante versátil, pode acompanhar desde pratos com frutos do mar, bem como um croque madame, ou até mesmo pastéis fritos de camarão ou queijo.

A vinificação é orgânica, a colheita é manual, não é utilizado nenhum produto químico nos estágios da produção, sem passar por barricas. O potencial de guarda não ultrapassa a 5 anos e o serviço deve ser observado entre 8 e 10 graus.

O CHATEAU DE BEAUBOIS

O nome de origem toponímica advém de “beau bois”, ou “bela madeira”, dada as madeiras magníficas de carvalho e pinho que havia naquela região encontrada pelos monges cistercienses de Franquevaux, a 15 km do Mar Mediterrâneo. Note-se a historicidade da região: o Mar Mediterrâneo foi palco de fenícios, gregos, romanos, árabes, para que depois do restabelecimento da ordem na Idade Média, à beira do Renascimento, era também palco de mercadores genoveses, venezianos, ibéricos, enfim, sempre foi uma região muito aberta às inovações que a História pudesse trazer...

RhoneOKAlí, no Côtes de Rhône, foi o lugar escolhido pelo papa Clemente V para abrigar a sede do papado (1309-1376), por onde passaram 6 papas, pois julgavam que Roma não era mais a cidade ideal para abrigar o papado. Foi alí no Vale do Ródano que plantaram as vinhas a mando do papa, como também a mando do papa houve a construção de um castelo gótico que ainda hoje existe, em Avignon, e toda essa estória dá nome a um famoso vinho: o Châteauneuf-du-Pape, que quer dizer “O castelo novo do papa”.

O Chateau de Beaubois surge antes disso, alí naquela região que hoje é conhecida como AOC Côtes du Rhone, por volta do século XIII, quando os monges cistercienses resolveram aproveitar aquelas terras para plantar videiras e oliveiras, passando assim a vinificar os frutos daquele belo terroir.

Hoje o castelo está nas mãos da família que o adquiriu nos anos 1920, tocado por um casal de irmãos na quarta geração de enólogos da família.

Essa maravilha pode ser adquirida no Empório De La Croix, por R$49,00 (http://www.delacroixvinhos.com.br/)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Scroll To Top